Noites Cafajestes à venda

Noites Cafajestes está de novo à venda, agora no site da Amazon Brasil: clique no link abaixo, e digite o nome do livro na pesquisa loja kindle, no alto da página.
Um verdadeiro guia de comportamento e sabedoria canalhas e cafajestes por R$6,00.

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Mais uma noite do caçador noturno


Há menos de duas semanas o caçador noturno se dirigiu a seu território de caça favorito, a selva noturna escura mais importante de toda sua vida noturna de caçador, desde sempre.  Uma certa dama, com quem já tivera contatos íntimos  em outros tempos, um tanto recentes, anunciou que lá estaria, enfatizando que dessa vez 'iria mesmo' pois já cancelara uma mancheia de cafés à tarde e cervejadas ainda mais recentemente. O caçador noturno, cético e calejado como é, entrou na selva noturna deixando todas as expectativas para trás, que se dissipassem no mundo exterior àquela dimensão paralela que é essa selva e principalmente seu porão, pois isso sempre tornava a caçada mais interessante, uma experiência real, mesmo que não proveitosa.
Pois bem,  mal chegou e encontrou a moça, que conversava animada com um sujeito. Ele entregou a encomenda que ela lhe fizera (especulem à vontade sobre isso, pois nunca saberão do que se trata!! Ha ha ha), o sujeito se afastou com discrição e uma conversa animada se instalou entre o caçador e a moça que de presa, como já devem ter deduzido, nada tinha... Conversa animada, mas que não levaria a um novo intercurso, como os constantes olhares da moça aos cantos e certos subtextos em suas falas indicavam. O tempo passou, pegaram bebidas e foram à pista de dança, por sugestão do caçador. Uma vez lá, após duas músicas a moça se afastou rapidamente, tragada pelas sombras daquele modo que somente quem frequenta essa pista escura e abissal pode entender. O caçador não se enfureceu ou lamentou, afinal, a moça já dera todas as mostras de ser um verdadeiro 'bagre ensaboado'[1], assim ele vagou às tontas pelos cantos e ambientes do território de caça, esvaziando cerveja após cerveja, desfrutando a música, dirigindo olhares às damas – nem tão damas assim, se me entendem – até que topa com um conhecido seu: nada menos que fodelão bola-murcha, que inclusive estrelou uma postagem nesta tranqueira, em 2015, com este título. O sujeito nada demorou para regurgitar sua ladainha de sempre sobre infindáveis conquistas amorosas, comer todas, etc, etc. Mas eis que desta vez algo ficou claro: o papudo rapaz não considera este escriba um ‘ouvido de penico’ para suas invenções. Não! Para ele, o caçador noturno é um igual, um companheiro-em-armas, ele considera que somos os fodelões mor das noites do Centro. Ha ha ha ha...
O tagarela rapaz estava acompanhado de um amigo, que o caçador já conhecia de outras noitadas, um cara sem pose, amigável, afável, o oposto de bola-murcha em suma. Logo passamos a avaliar as mulheres e discutir as possibilidades. O amigo aponta uma garota de cerca de 20 anos, muito bem-feita de rosto e corpo, belos olhos azuis e um ar de pateta daqueles. Segundo ele, a moça era uma menininha deslumbrada metida a poderosa com quem ele tivera uma conversa desconexa pouco antes, na qual ela posava de ‘muito lôca, bebo todas, tô sempre zoada no rolê’, etc. Pois eis que a moçoila se achega a nós no balcão, cumprimenta o rapaz (o amigo, não o bola-murcha), que nos apresenta a moça, que apresenta a nós sua amiga, uma mocinha na flor da idade, uma garota de não mais de 19 anos, tomada de compreensível timidez ao ser apresentada aos três velhacos, inclusive e principalmente porque a amiga (a tal ‘porra-louca’) pôs-se a enaltecer os dotes da garotinha: ‘gente, minha amiga não é linda? Olha que rostinho de boneca, que pele de pêssego(sua mão deslizava pelo rosto da mocinha enquanto ela dizia essa frase, isto não é ficção ou distorção do que aconteceu!!!). A menina ruborizou-se ao máximo e saiu de cabeça baixa.
Dei um jeito de me desvencilhar daquela patuscada, vaguei, vaguei, até me dirigir ao fumódromo para consumir um bastonete cancerígeno. Quem estava lá? Exato!! Bola-murcha e o amigo gente-boa e sentadas em uma mesa, porra-louca e amiguinha ninfeta.  Troquei palavras rápidas com os rapazes e me aproximei das moças. Pedi licença, sentei-me e tentei entabular uma conversa com a mocinha, pois a porra-louca tinha se mostrado uma anta, com todo respeito que os nobres mamíferos da família tapiridae merecem. O que aconteceu? Sim, porra-louca re-recitou a cantilena sobre a beleza da amiga, com direito a mais carícias suaves no rosto dela, com tal insistência que a garota ficou ainda mais constrangida e tornou impossível qualquer ação do caçador, cuja paciência dissolveu-se no ar com a fumaça de seu cigarro: disse boa noite, pegou mais uma cerveja, bandolou mais um e tanto decidiu tomar seu lugar na fila do caixa, certo que a noite terminara.
Quem estava logo a sua frente na fila? Porra-louca e pele de pêssego, óbvio. E bola-murcha e gente-boa pouco atrás dele. Eis que este escriba tem uma ideia besta, mas cuja execução seria um fechamento digno para tal noite. Assim, ele vira-se para gente-boa e dispara: ‘me acompanhe, fique perto, que vou dizer uma coisinha para essa tonta.’ Os olhos do cara brilham e ele me segue. Assim que as duas beldades pagam sua conta este sujeitinho se aproxima, se despede de ambas, enlaça porra-louca pela cintura com seus braços, encara seus olhos – muito bonitos, justo confirmar – e diz com todas as letras que ele não queria ficar com a menininha tímida, mas com ela, que seu intento era ela. E aproxima seus lábios dos dela, que apavorada afirma ter namorado (Claaaroooo!!!) e dirige um desesperado olhar de socorro ao gente-boa, que assiste à cena rindo com gosto.
Como sou um canalha com princípios, não forcei a barra: libertei a moça de meu abraço e ela desapareceu  pela porta com a amiga, apressada como uma chapeuzinho vermelho perseguida pelo lobo mau (a blusa que vestia era vermelha, eu garanto!!!).
Dirigi mais um olhar à testemunha da palhaçada, que me cumprimentou e me parabenizou, entre risos.
Uma última observação, caros leitores: não sou afeito a declarar minhas intenções para as mulheres de modo muito assertivo e explícito, principalmente no começo da conversação. Sou muito mais de criar clima, sugerir, insinuar, de modo que a ficada, a pegação, seja uma consequência natural de uma situação que é conduzida em um crescendo, da qual ambos não queriam nem possam escapar. Pois bem, essa pirralha bêbada não mereceu nada disso. Chegar com tudo e dizer ‘quero ficar com você!” é tudo que ela mereceu.
Saudações canalhas e cafajestes                        


[1] Gíria que a polícia e a bandidagem paulistanas usaram muito, principalmente entre os anos 40 e 60, para se referir a indivíduos escorregadios, difíceis de serem pegos por quem quer que fosse. Encontrada em um dos grandes livros do grande Marcos Rey, cronista definitivo da boêmia paulistana deste período.   

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Descobertas feitas em mesas de bar e registradas em guardanapos - LXII

"Só o adúltero é um adulto"

Pensata recolhida em uma noite qualquer, ouvida no balcão de um bar qualquer

domingo, 4 de setembro de 2016

Diálogo ocorrido durante uma tarde chuvosa qualquer, em uma alcova qualquer

- Ei, ouça!
- O quê?
- Periquitos cantando lá fora, que bonitinhos!
- Meu amor, a única voz a que presto atenção, neste momento, é a voz deliciosa e úmida que sua periquitinha faz ao friccionar minha coxa contra ela!

Saudações canalhas e cafajestes 

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Texto curto, fútil, inútil e direto - AlexB, o demolidor de frases feitas

Diz uma frase canalha sobre as musas questionáveis que passam por nossas vidas noturnas que ' figurinha repetida não enche álbum.' Ou, numa tradução direta: ter a companhia de uma mesma musa questionável, no espaço de algumas poucas semanas ou noites, quando há possibilidade de novas conquistas, não é um feito que engrandece o currículo canalha de um pretenso 'pegador'. Bem, eu, iconoclasta e rebeldezinho barato de mais de 40 anos de plantão afirmo que esta frase está errada e ponto. Uma figurinha repetida pode encher e engrandecer sim um álbum de figurinhas, basta explorá-la melhor, deslizar as mãos pela textura da superfície e encontrar detalhes e marcas antes desconhecidos, cheirá-la melhor para se inebriar com o doce aroma do material utilizado para impressão e para o suporte físico desta, e a velha e repetida figurinha torna-se uma peça rica que enobrece qualquer álbum!

Estou certo de que não terei de utilizar o já tradicional bordão 'não peçam explicações' para esta postagem, certo caros leitores? He he he...

Saudações canalhas e cafajestes



segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Descobertas feitas em mesas de bar e registradas em guardanapos - LXI

"Certas mulheres parecem ser falsas cognatas de outras  mulheres"

Um amigo de longa data, que bem pouco contribuiu para esta tranqueira, mas há poucos dias saiu-se com essa jóia, enquanto relembrávamos, entre goles de café,  certas mulheres, para lá de nocivas, que passaram por nossas vidas,  o que essas criaturas tinham em comum e como outra mulher, nossa conhecida, se parece com elas no que todas têm de mais tóxico. E 'falsas cognatas' carrega mais de um sentido, pois além dessas sujeitas, que tanto mal causaram, terem sido falsas ao extremo, se parecem entre si, como palavras cognatas. Olha só, que sofisticado AlexB está no uso do idioma! Empregando ambiguidades e duplos sentidos!

Saudações canalhas e cafajestes      

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Texto curto, direto e virulento - mais uma porretada nas feminazis

Descobri há pouco tempo mais uma pérola forjada pelas rad fem, pelas 'feministas radicais'(aspas porque essas psicóticas em questão envergonham o feminismo; conheço o verdadeiro movimento feminista - inclusive me relacionei com algumas ativistas - AlexB, o canalha e cafajeste, foi recebido pelos braços e alcova de feministas!!?? Pois é, chorem por isso), pelas tais feminazis: segundo essas criaturas elevadas e iluminadas, as relações heterossexuais, em nossa sociedade em que absolutamente tudo, tudo, tudo, tudo é simples meio de opressão machista e patriarcal, nunca são verdadeira e espontâneas, as mulheres que gostam de homens foram coagidas a isso (sério!!) e portanto uma relação sexual consensual entre homem e mulher não passa de......................................... estupro consentido!!!!
Sim, vocês leram direito: estupro - sexo à força, por meio de ameaça e/ou violência física - cometido com a aprovação e desejo da vítima que assim seja. Eis o nível de sandice de uma parte do movimento feminista contemporâneo.   

Caros leitores, peço sincera e veementemente: iluminem a limitada compreensão desse porco chauvinista que vos escreve e me elucidem como é possível um estupro ser cometido com consentimento da vítima, me expliquem por favor, que o paradoxo desse termo é tão monumental e absurdo que minha pobre mente por pouco não entrou em colapso ao tentar extrair algum sentido dessa barbaridade.

Saudações canalhas e cafajestes

sábado, 6 de agosto de 2016

O mundo (e principalmente São Paulo) ainda tem salvação!




Este escriba atravessou a Rua Augusta há pouco, vindo de um dos seus emocionantes compromissos profissionais(coletar informações interessantíssimas para preparar mais uma dessas emocionantes matérias 'jornalísticas' que não passam de propaganda barata mal-disfarçada, mas que financiam boa parte de suas farras noturnas), rumo a seu reduto, onde se preparará para mergulhar na noite, pois como canta o grande Marcelo Nova, no novo álbum do Camisa de Vênus, esta noite 'dançarei na Lua'. Pois bem, observando o 'açougue sexual farto e variado' nas palavras do mestre Reinaldo Moraes, registradas no genial 'Pornopopéia', topei com, não melhor, apresentou-se a mim um acontecimento e tanto na velha e maltratada rua da devassidão, permissividade, zoeira e esbórnia: um novo puteiro, um novo randevu, uma nova casa de facilidades abriu! Sim, caros leitores! A Rua Augusta, que tantas boates e casas de libertinagem perdeu nos últimos anos, para gáudio dos moralistas, recalcados, politicamente corretos e tipinhos frustrados e repressores em geral, que não cansavam de torpedear na imprensa vendida e falsa moralista que a 'decência', a 'moralidade', e a 'ordem' (leia-se, aburguesamento hipócrita) nela  tinham vindo para ficar, a Augusta velha de guerra , a verdadeira Augusta resiste e se manifesta. Se antes dávamos como certo que a geração leitinho com pêra metida a 'baladeira'(odeio esse termo!!!), as bichinhas afetadas e ridículas, as feminazis histéricas, os 'lacradores (arghhhh!!!!), os hipsters, ou seja,  toda a ridícula fauna 'jovem e moderna' tomou a rua de assalto e essa tornaria-se para sempre um antro de idiotice e bunda-molice, agora, com todas as fanfarras, alegria e orgulho anunciamos: ainda há salvação!!! São Paulo ainda possui pessoas e lugares que desafiam as boas intenções, a ordem, o limpinho, o sem-vida e sem-tesão. Então corram!! O Bar Baré abriu suas portas, no número 781 da Rua Augusta, para acolher todos os boêmios, desajustados e putanheiros que grassam pela noite.
E não, isso não é postagem paga, não sou um dos sócios, sequer amigo ou conhecido deles. Deliberadamente atrasei  o início de minha noitada para ligar o notebook somente para registrar toda minha empolgação e alegria aqui na tranqueira, enquanto estas eram frescas e intensas.

Saudações Canalhas e Cafajestes